História da Mooca

História da MoocaA Mooca é um bairro pertencente ao distrito homônimo da cidade de São Paulo, ocupando uma pequena faixa entre a avenida Alcântara Machado (Radial Leste), a rua Taquari, a avenida Paes de Barros, a rua Fernando Falcão e a rua Siqueira Bueno.

Neste bairro está localizada a sede da Subprefeitura da Mooca e o campus da Universidade São Judas Tadeu.

Como surgiu

A Mooca se caracteriza por uma intensa ocupação de italianos, cujos descendentes não abandonaram o distrito. Um nome intimamente ligado a ele é o do italiano Rodolfo Crespi, dono da que chegou a ser a maior tecelagem de São Paulo, o Cotonifício Crespi, fundado em 1896.

Sucessivas ampliações da fábrica foram acompanhadas por construção de moradias para seus funcionários. Assim como a família Crespi, boa parte dos operários era de origem italiana. Desde 2006 o complexo fabril do antigo cotonifício é ocupado pelo hipermercado Extra, que promoveu um projeto polêmico e agressivo de reabilitação e ampliação dos edifícios, alterando sua integrigade arquitetônica e construtiva.
Entrada do Estádio do Juventus na Rua Javari

A imigração italiana está presente também nas tradições gastronômicas do bairro que, entre muitas cantinas, pizzarias e doçarias, conta com alguns importantes nomes, como a doceria Di Cunto, a pizzaria São Pedro, a Pizzaria do Ângelo e o restaurante Don Carlini.

Outro símbolo da imigração italiana no bairro é o Clube Atlético Juventus, fundado no dia 20 de abril de 1924 por funcionários do Cotonifício Rodolfo Crespi. Os grandes patronos do Clube eram Rodolfo e o seu filho Adriano Crespi, italianos da cidade de Busto Arsizio, na província italiana de Varesi, próximo ao Piemonte.

Rodolfo era simpatizante da Juventus, time de futebol da cidade italiana de Turim, enquanto o seu filho Adriano gostava da Fiorentina, de Florença. O nome Clube Atlético Juventus nasceu numa homenagem à Juventus de Torino, porém utilizando a cor lilás, da camisa da Fiorentina. Com o tempo aquela cor arroxeada foi passando para o grená (vinho) utilizada até os dias de hoje.

História

Fundação

Apesar de sua história se confundir com a da própria cidade de São Paulo, não existem muitas referências a respeito da história da Mooca, um dos mais tradicionais e antigos bairros desta cidade. Mas, mesmo nas poucas referências encontradas, muitos fatos e detalhes interessantes e importantes são dignos de serem relatados.

Pelo que se sabe, o dia 17 de agosto de 1556 é o marco do surgimento da Mooca. Nesse tempo, ou seja, apenas 56 anos após o descobrimento do Brasil, estas terras eram habitadas por índios, que se concentravam perto de um extenso rio, o Tamanduateí, e se espalhavam pela região adentro, que era rodeada por muitos riachos.

No livro “A Igreja na História de São Paulo” a primeira referência ao bairro data de 1605, quando o local ainda era conhecido como Arraial de Nicolau Barreto, onde Brás Cubas construiu a capela de Santo Antônio, mais tarde transferida para a praça Patriarca.

Segundo os historiadores, a região leste de São Paulo, onde se situa o bairro da Mooca, deve ter sido o local da maior concentração de índios de São Paulo e até do Brasil. O elemento indígena foi tão forte por aqui, que deixou sua lembrança até no nome do bairro: Mooca.

Acredita-se que esta palavra indígena tenha surgido no século XVI, quando os primeiros habitantes brancos começaram a construir suas casas. Os índios, curiosos com a novidade exclamavam moo-oca (moo = "faz", oca = "casa") . Uma outra versão diz respeito a mesma expressão, mas relacionada ao fato de os jesuítas mandarem barro para seus colegas da região leste e estes ensinavam os índios a fazer casa, ou como já vimos, “moo-oca”, ou ainda o fato de que a presença do colonizador empurrou os índios para a outra margem do Tamanduateí, obrigando-os a construirem novas Ocas.

Por fim, outra hipótese a respeito da origem do nome Mooca, também se relaciona a uma outra expressão indígena, muito parecida com a outra versão: moo-oka = ares secos, enxutos.

Essa versão é injustificável, pois, como já visto, a região, de seca, não tinha nada.Visto que era cercada, além do rio Tamanduateí, pelo riacho do Ipiranga, rio Tatuapé, riacho da Mooca, Aricanduva e vários outros.

Ainda hoje, muitos nomes de ruas do bairro têm sua origem em palavras indígenas: Javari, Taquari, Cassandoca, Itaqueri, Arariboia, Guaimbé, Tabajaras, Camé, Juatindiba e outras. Aliás, além do indígena, outro elemento foi importante na origem do bairro da Mooca: o rio.

No início, esta região fazia parte das terras de João Ramalho, que nem chegara a tomar posse e, segundo conta a história, teria ajudado na catequisação e colonização dos índios.

Em 1567, Brás Cubas recebe oficialmente do capitão-mor Jorge Ferreira a função de desbravar essas terras e fundar o Belém, Tatuapé e a Penha.

Na região leste, logo se tomou conhecimento da tribo dos guaianases, do tronco tupi-guarani, que dominava o local.

Para aqui se chegar saía-se da Freguesia Eclesiástica da Sé, descia-se a rua do Carmo, atingia-se a rua Tabatinguera até atingir uma ponte de madeira denominada Tabatinguera ou Ipiranga, chegando-se a uma trilha que se estendia até a Penha.

Essa trilha feita pelos pés dos caminhantes – brancos e índios, animais e rodas dos carros de boi - se transformou no que é hoje a rua da Mooca.

O tempo se passou. Nos fins do império, durante a primitiva República, a região possuía enormes casas, rodeadas por belas chácaras.

Em 10 de agosto de 1867, a Câmara Municipal de São Paulo, então chamada de Câmara Régia, começou a doar terras para a formação de um povoado. Em 1869 já se notava muitas casas pequenas e pobres e, assim, o povoado foi crescendo.

Ativismo político

O bairro foi um dos principais cenários da atividade política e revolucionária no Brasil, decorrente de sua natureza industrial, cujos trabalhadores eram proletariados e imigrantes, oriundos de países com um emergente pensamento socialista. O ativismo comunista e anarquista era intenso.

A confluência da Avenida Paes de Barros, Rua da Mooca, Rua Taquari e Rua do Oratório era conhecida como Praça Vermelha. Seus moradores também cruzaram o Tamanduateí e puderam participar da "Queda da Bastilha" no Bairro do Cambucí, ocorrida em 30 de Outubro de 1930, com a finalidade de por fim ao tratamento desumano da delegacia da Rua Barão de Jaguará, local onde eram confinados sindicalistas e "agitadores".

Hoje

Assim, demonstrando toda essa característica contrastante, pode-se encontrar ainda hoje muitos casarões antigos, com suas fachadas em vários estilos, construídas pelos maestri, (os mestres construtores), adornadas de guirlandas e baixos relevos, objeto de admiração e estudo de novos e surpresos arquitetos, ao lado de modernas residências, assim como de estreitas ruas, típicas de velhas cidades da Europa, ao lado de largas avenidas.

Segundo pesquisa do Jornal da Tarde : “com seus 7 quilômetros quadrados de área, e uma população de mais de 63.000 habitantes, é o bairro mais com a cara de São Paulo, sendo que as suas características correspondem exatamente à média da cidade”.

A Mooca atual é um bairro completo e autônomo, que conserva suas características residenciais e familiares, sem abdicar de uma infra-estrutura moderna. É quase que como uma cidade do interior dentro da cidade grande. Os tempos românticos, dos bondes e dos “footings” já se foram, mas a Mooca continua e continuará sendo sempre a mesma: um lugar alegre, acolhedor e apaixonante.

Seguindo, todavia, tendência existente para as grandes avenidas de São Paulo, a maioria dessas mansões cedeu espaço para modernos edifícios, alguns deles sofisticados, ou transformadas em estabelecimentos bancários e comerciais.Uma nova Mooca, porém, se ergueu nos últimos anos, nas cercanias do clube social do Juventus, com a construção de residências de alto padrão.

Segundo especialistas do setor imobiliário, a Mooca vem passando por um processo de transformação imobiliária. As fábricas e indústrias de outrora cederam e continuam cedendo espaços para novos e diversificados empreendimentos imobiliários.

Problemática contemporânea

Atualmente a região da Mooca enfrenta problemas relacionados à inadequação de parte de sua estrutura urbana aos novos usos e aos novos programas propostos para o bairro pela cidade, assim como questões ligadas à gentrificação, ou seja, à substituição dos perfis populacionais presentes no bairro e à eventual expulsão das populações de mais baixa renda.

O primeiro problema citado se refere à estrutura fabril dos tecidos urbanos presentes junto à orla ferroviária que atravessa desde bairros como o Brás (ao norte do distrito da Mooca) até as cidades do ABC Paulista.

Esta estrutura se caracteriza por uma sucessão de quadras urbanas ocupadas por galpões industriais, muitos deles obsoletos, e cuja origem remonta ao início da industrialização de São Paulo, nas primeiras décadas do século XX.

Recentemente algumas destas quadras foram adquiridas por incorporadores imobiliários e reunidas em grandes empreendimentos privados, levando à degradação do espaço público. O segundo problema se refere à eventual valorização dos imóveis da região e ao ataque do mercado imobiliário que acarreta na expulsão de famílias tradicionais do local, caracterizando gentrificação.

Em 2006 e 2007 a região assistiu ao conflito entre os movimentos de moradia e a população de classes alta e média da região pela definição no local de zonas especiais de interesse social (ZEIS), nas quais é deve predominar a construção de habitação de interesse social.

As classes de mais alta renda exigiam a retirada das ZEIS do Plano Diretor Regional da Subprefeitura, as quais haviam sido definidas pela população no processo de elaboração daquele plano durante a gestão de Marta Suplicy em São Paulo. Com a gestão Serra-Kassab, a proteção às Zeis deixou de existir por parte da prefeitura.

Em 2007, o distrito também foi palco de uma disputa entre o CONPRESP (Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio) e o mercado imobiliário interessado na construção de torres residenciais de alto e médio padrão na região

Educação

A Mooca abriga a ETEC Prof. Camargo Aranha, considerada uma das melhores escolas públicas de ensino médio da Capital, que pertence ao Centro Paula Sousa. O bairro possui também duas escolas SENAI: SENAI Morvan Figueiredo e SENAI Teobaldo de Nigris.

Bairros

O Mooca está situado na Zona Sudeste e abrange os bairros de:

• Hipódromo • Mooca • Parque da Mooca • Vila Cláudia

Fonte: http://pt.wikipedia.org/



  Sobre o EncontraMooca
Fale com EncontraMooca
Anuncie no EncontraMooca
Cadastre sua Empresa no EncontraMooca (grátis)



Termos EncontraMooca | Privacidade EncontraMooca

Bandeira do bairro da Mooca